Leia mais Artigos
  • Por que alguns países não possuem violência epidêmica? 23 de julho de 2014

      O mundo está cada vez mais autoritário, intolerante, irado e, sobretudo, violento. As democracias estão perdendo (longe) para o autoritarismo. O Estado de direito está sendo vencido pelo Estado de exceção (ou subterrâneo) (tal como prognosticaram os filósofos Walter Benjamin, em 1942, e Giorgio Agamben, em 1995 e 2003). Poucos países destoam do quadro […]

  • A Copa e os 2 Brasis: Brasildinávia e Brasilquistão 22 de julho de 2014

      Num passe de mágica, que o jeitinho brasileiro conhece bem, conseguiram ludibriar os jornalistas estrangeiros, durante a Copa do Mundo, escondendo deles o Brasilquistão (o Brasil que não deu certo: violento, desigual, desumano, concentrador de riquezas, pobre, sujo, sangrento, corrupto, serviços públicos de quinta categoria etc.). Mostraram para eles o Brasildinávia (o Brasil que […]

  • Fim do político profissional (17) Valor do voto e preço do voto 21 de julho de 2014

    Luiz Flávio Gomes Meus amigos: O exemplo tem que começar pelos pais, professores, educadores, políticos etc. Quando os políticos não cumprem seus deveres, oferecem péssimo exemplo para a nação. Os parlamentares, priorizando seus interesses particulares de reeleição em detrimento do interesse público, abandonaram o Congresso Nacional para cuidar das suas campanhas eleitorais e não votaram […]

  • Brasil: 2 mortes a cada 10 minutos (uma no trânsito e um assassinato) 21 de julho de 2014

    Na última semana repercutiu na mídia mundial a barbárie do assassinato de 298 pessoas que se encontravam num avião da Malaysia Airlines, que foi derrubado por um míssil disparado provavelmente da área controlada por separatistas da Ucrânia, alimentados pela Rússia (diz Obama). Chegou a 335 o número de mortos em 12 dias no Oriente Médio. […]

  • Fim do político profissional 21 de julho de 2014

    LUIZ FLÁVIO GOMES, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Estou no professorLFG.com.br   Os gregos, na antiguidade, chamavam de idiotés quem não participava da política, ou seja, quem egoistamente ficava isolado em sua casa, obcecado em suas mesquinharias, sem oferecer nenhuma contribuição para a comunidade, para a polis (cidade) (veja Savater, Política para meu […]

  • Fim do político profissional (17) Manobra tira do STF o mensalão mineiro 18 de julho de 2014

    Luiz Flávio Gomes O Judiciário, voluntária ou involuntariamente, em razão, sobretudo, da desorganização normativa no Brasil, é um grande conivente das falcatruas, malandragens e estrepolias dos políticos brasileiros, carentes de exemplaridade, que maquiavelicamente fazem de tudo para se perpetuarem no poder. O sócio de Marcos Valério (nos anos 90), Clésio Andrade, que foi vice-governador de […]

  • Violência epidêmica nos governos FHC, Lula e Dilma 18 de julho de 2014

     A estabilidade na economia, com o Plano Real, foi um dos grandes êxitos de FHC. A distribuição de renda por meio de programas específicos (Bolsa Família, por exemplo) notabilizou (inclusive internacionalmente) os governos do PT (Lula e Dilma). No que diz respeito às taxas de homicídios, no entanto, os três governos não tiveram nenhum sucesso. […]

  • Fim do político profissional (16) Campanhas caras: quem paga a conta cobra retorno 17 de julho de 2014

    Luiz Flávio Gomes Levantamento feito pelo jornal O Globo (13/5/14: 3) mostra que os principais partidos políticos do país gastarão nas suas campanhas, este ano, aproximadamente R$ 500 milhões. Quem paga essa conta? Dentre tantas outras empresas, vêm arcando com essa conta Camargo Correia, Andrade Gutierrez, JBS, Banco Alvorada, Queiroz Galvão, OAS, Banco BMG, Gerdau, […]

  • Licença para matar: mais de 50 linchamentos em 2014 17 de julho de 2014

     No estágio de barbárie que ainda nos encontramos, alguns humanos concedem a si mesmos licença para matar pessoas (quase sempre impunemente, porque a polícia brasileira somente apura 8% dos homicídios no Brasil). Ainda assassinamos pessoas como se matam baratas. Isso ocorre de diversas maneiras: execuções sumárias (normalmente praticadas por agentes do Estado ou contra eles), […]

  • Fim do político profissional (14) Políticos ganharão sem trabalhar (mais uma vez) 16 de julho de 2014

    Luiz Flávio Gomes Meus amigos: o fim do político profissional não significa falta de profissionalização do político, sim, o fim a perpetuação do político na política. Depois de dois mandatos no legislativo e um no executivo ou senado, o político deve passar vários anos sem poder concorrer (quebrando com isso seus laços oficiais com a […]


veja mais…